Pular para o conteúdo principal

Fim de semana no Rio

Sexta-feira... Lá fora céu azul e sol forte. Existe cenário melhor para um fim de semana? Claro que não! Todo esse clima dá à cidade um colorido especial, além de uma vontade doida de dar um mergulho no mar. A paixão do carioca pela cidade aflora e, como tal, eu não fujo a regra. Tanto que peguei na estante Carnaval no fogo, do Ruy Castro, para reler alguns trechos. Uma declaração de amor à cidade!

"Uma coleção de clichês assola e mancha a imagem do carioca. Alguns deles são os de que o carioca não trabalha, passa o dia na praia e não pode ver uma esquina ou um botequim sem parar para conversar com alguém que acabou de conhecer e de quem já ficou íntimo. Outros clichês são de que o carioca é incapaz de chegar na hora para um compromisso, que deixa tudo para o último minuto e sua idéia de marcar um encontro é dizer, "A gente se vê". Pois bem é quase tudo verdade. (...)
Primeiro, não é que o carioca trabalhe pouco. Ao contrário, o Rio é uma das cidades do Brasil onde mais se trabalha. Talvez seja aquela onde mais se trabalha, e não ria. Segundo números do IBGE, o carioca trabalha 40h47min por semana, uma média invejável em qualquer grande cidade do mundo – confira com a sua cidade. Ele apenas não tem culpa se lhe sobram 127h13min por semana para não trabalhar. E esse período, que os cidadãos de outros burgos dedicam a dormir ou a ver TV, o carioca aproveita para fazer coisas muito melhores, como ir á praia, dar um pulo ao botequim, jogar conversa fora, praticar algum esporte ou andar à toa na rua"

Pois é, nesse momento estou nas cumprindo minhas 40h47min de trabalho, ou mais ou menos, já que ao invés das matérias para a revista estou aqui escrevendo e reverenciando o Rio de Janeiro. Talvez já esteja no clima das 127h13min que vêm por aí. Fim de semana! E aí, a pergunta que fica: será que vai dar praia? Tem que dar, até porque, ainda segundo Ruy Castro:

"Aqui a praia não se resume a uma toalha para ficar esticado ao sol. é toda uma cultura. Vai-se à praia para ler jornal, encontrar os amigos, jogar futivôlei, conhecer gente, saber das últimas e, às vezes, até para falar de negócio. É um espaço tão natural quanto a praça, o restaurante ou o escritório".

Que este seja, então, um fim de semana tipicamente carioca!

Comentários