Pular para o conteúdo principal

O quê???


Uma pergunta que eu repetidamente faço é: o que leva as pessoas a acreditarem que para escrever bem é preciso utilizar uma linguagem rebuscada? Ao contrário! Sobretudo em uma língua que, como a portuguesa, não tem a simplicidade e a facilidade como características. Podemos passar toda a vida estudando português e, ainda assim, restarão dúvidas, detalhes para aprender e muitas exceções a regras para lembrar. Na linguagem falada coloquial, cheia de gírias e com um grande descaso com à gramática, até que é simples, mas quando é preciso recorrer a um vocabulário mais formal, seja para falar ou escrever, surgem os problemas.

Seria trágico se não fosse cômico. Ou seria cômico se não fosse trágico? Acho que ambas as versões traduzem coisas como: "ao ultrapassar 30 anos de existência". Ultrapassou os trinta, isso é certo, mas será que tem 31, 36, 40, 77 ou 100anos? A frase veio em um texto que recebi por e-mail e não estava só. O release que deveria servir como fonte para uma notinha na revista terminava com: "criar um reflexo positivo e imediato em suas vendas". Não vou aqui analisar a correção gramatical, até porque reconheço que meus conhecimentos da língua portuguesa não permitem tanto, mas que ficou feio, ficou.

Constantemente tenho dúvidas ao escrever. Quando isso acontece, recorro a um dicionário ou gramática e, se não houver nenhum à mão opto por escrever de outra forma, o mais simples possível. Isso diminui consideravelmente a possibilidade de erro e ainda transmite o que quero dizer de forma objetiva e direta. O executivo que me enviou o e-mail, conheço e sei que é boa gente, não poderia simplesmente ter iniciado seu e-mail com: "Ao completar 30 anos"? E o final não seria mais agradável com: "aumentar imediatamente as vendas"? Ficaria melhor e me pouparia trabalho. É certo também que essa crônica talvez não existisse. Mas tá aí, ou aqui, um texto que não faria questão de escrever.

Se bem que, mesmo sem a colaboração de minha fonte acho que o escreveria. Se não da mesma forma, pelo menos com a mesma idéia. Afinal, como lidar bem com o gerundismo. Assunto de tantas outras crônicas, alheias, ele também me assola no trabalho. Ouço quase diariamente a moça que vende assinaturas da revista falar: estarei enviando, estarei retornando, estarei verificando. E eu na minha mesa penso: estarei enlouquecendo. E o país, estará, ou já está emburrecendo?

Comentários

Marcia disse…
Meu Deus...
Agora me questionei, me incomodei. Sera que ja emburreci e nao sei??
Justo eu, que gosto tanto de escrever... Mas, fui obrigada a parar e pensar:"Acho que sou bem assim, igual ao texto da Roberta."
Ai, ai, ai...
Enfim: sei la!