Pular para o conteúdo principal

Sonhando acordada

Difícil saber o que dizer em momentos como aquele. Acontecimentos atropelaram o previsível e me colocaram em um lugar onde todas as possibilidades eram possíveis. Tão possíveis quanto as impossibilidades. Não e sim, de mãos dadas, observavam minha inquietação. Sorri para o talvez e me rendi ao fato de que, certo ali, só o caráter ilusório de qualquer previsão. Ilusão e realidade se confundiam e eu não me sentia capaz de diferenciar uma da outra, para mim era tudo surpresa.

Surpresa. Era essa a palavra! Definia a situação e definia melhor ainda o meu estado. Surpreendida, eu tive medo justamente diante do que sempre me atraiu, o inesperado. Desejado sim, muito desejado, mas ainda assim inesperado. Por isso, passei de leve as mãos sobre meus olhos, gesto quase instintivo para me certificar se estava dormindo.

Talvez sonhasse, mas meus olhos abertos indicavam que, se fosse um sonho, não era um sonho qualquer. Ele tinha um rosto e estava adormecido a meu lado. Passei de leve os dedos pelos seus cabelos. Cheguei mais perto e senti seu cheiro. Encostei meus lábios e pude recordar seu sabor. Meu sonho abriu os olhos e sorriu. Não falei nada, apenas sorri de volta e continuei a sonhar.

Comentários

Anônimo disse…
Mauro Cassane...

Que lindo...o beijo, a emoção de senti-lo, a loucura de ser sonho e realidade...Adoro coisas assim.

beijos loucos pra ti