Pular para o conteúdo principal

Sintonia

A comunicação entre eles dispensava palavras e ignorava a distância. Sempre foi assim, embora eles tenham demorado a perceber que, mesmo longe e sem intenção, dividiam alegrias e problemas. Só compreenderam isso quando já estavam separados, quando as notícias se tornaram escassas e o contato físico era somente a lembrança de um passado recente.

A mudança de casa, a troca de emprego e os problemas com a família foram alguns dos acontecimentos sentidos em forma de sentimentos inesperados e inexplicados. Uma tristeza sem causa aparente, uma alegria sem motivo específico, uma vontade de ligar ou escrever que surgia, de repente, no início de um dia de trabalho, no meio de uma tarde de sol ou durante uma noite de insônia.

Mas agora, qual era o valor de pensamentos tão sintonizados? Qual o sentido de perceber a felicidade do outro mas não mais poder dividi-la? E a tristeza, as dificuldades e os momentos difíceis, por que identificá-los à distância se não é mais possível se aproximar para ajudar? Mas a comunicação entre eles, além de dispensar palavras e ignorar a distância, parecia ir contra os fatos. Teimosa, tentava manter viva uma união que, se ainda existia, não era na dimensão do real e do concreto. Seria então uma ligação de almas?

Será que seria o que é, ou será que o que é será?

Comentários

Jota Penteado disse…
Acho um tipo de relação motivada por fatos totalmente distintos do casal. Será??? Muito bonito o texto... J
Verdadeiro Jota disse…
Prezados Fernanda e "Jota Penteado cover",
Não é raro recebermos textos no email assinados por famosos escritores que, na verdade, são escritos por outras pessoas. Leio, ou muitas vezes não leio, várias crônicas do Veríssimo ou Arnaldo Jabour, colunistas da moda, provavelmente campeões do plágio, que os próprios já desmentiram a autoria inúmeras vezes, inclusive nas suas colunas. Entrei hoje no google, cinco anos após os seis meses que criei e mantive a COLUNA JOTA PENTEADO, para simplesmente matar minha curiosidade e checar o que havia à respeito. Quando acho que já vi de tudo, me surpreendi que os chamados "fakes" não afetam apenas os profissionais do ramo, usam até nomes de amadores, escritores temporários como eu. Confesso que a surpresa veio acompanhada com uma certa mágoa, adicionada com uma pitada de orgulho, já que jamais imaginaria ser plagiado, ou plageado, sei lá. O outro Jota também não deve saber... Fernanda, lembro do seu nome, voce fazia parte da comunidade do orkut? Desculpa, parabéns, muitos beijos! (mjpenteado@hotmail.com)

obs.: O cover comentou em outro blog, estou indo lá para desmentir:

http://enquantodurmo.blogspot.com/2004/09/informacao-util-nada-ver-com-sonhos.html