Pular para o conteúdo principal

Sem querer

Não queria que fosse assim. Nunca quis que fosse assim da forma que eu deixei ser. Assim, sem querer, eu fiz a razão enfrentar a vontade, o querer sucumbir ao dever e, no curto espaço entre o antes e o depois, o para nunca triunfar sobre o para sempre. Venci a mim mesmo, sem querer, e, também sem querer, provei o sabor amargo de uma vitória que foi, na verdade, derrota. A possibilidade impossível de não querer o querer. Sem querer que assim fosse, deixei ser. E foi. Se foi.

Comentários

Renata (Rida) disse…
Amei isto, Roberta! E obrigada pelo carinho: vc sempre me visita...