Pular para o conteúdo principal

O que ainda não foi

A situação era confusa, as notícias desencontradas e o interesse não era mais uma exclusividade minha. Mas o meu era um interesse extremo. Acompanhava com atenção e com a ilusória sensação de que unindo todas as letras fosse possível reencontrar o seu rosto. A cada linha lida, lembrava de seus olhos e era como se sentisse novamente o seu olhar. Ao enfrentar o presente, buscava no passado as lembranças e nesse movimento da memória, a sensação era de que uma porta ainda estivesse aberta. Por ela entrava o seu cheiro inconfundível. Irresistível. Inesquecível. Queria saber-lhe bem, mas não podia procurá-lo mais. Desejava notícias, mas precisava respeitar o silêncio. Ansiava por uma aproximação, mas já estávamos distante demais para isso.

Comentários

Juliana disse…
alguém lendo uma notícia de jornal que falava sobre uma amor do passado que não deu certo, que ficou no passado. E que não pode voltar mais. Não sei. Mas esta foi a interpretação que dei. Um bjs e até mais!
Fê_Notável =) disse…
Olá! essa é a 1ª vez que passo aqui, mas algo me chamou a atenção e por isso resolvi comentar...
fiquei feliz por saber que não sou a única que enfrenta o presente em busca do passado! Achei o seu texto muito verdadeiro!!! Parabéns!
Beijinhos e boa semana! Até