Pular para o conteúdo principal

Sonho

Sonhei. Acomodada na velha poltrona, sob os raios da lua que conseguiam entrar por uma pequena fresta na janela, observava você dormindo. Com um sorriso suave, lembrava que era sempre dormindo que você mais me lembrava você. E era esse você que eu tinha vontade de abraçar e sentir o cheiro nunca esquecido. Tinha vontade de voltar para cama e deitar ao seu lado, ter a sua pele novamente na minha e aproveitar a entrega inconscientemente permitida.

Sem ser esta a vontade, continuei sentada. Entregue a lembranças e pensamentos, entendi que o melhor era deixá-lo dormir e ir embora com os sonhos que sempre foram só meus. Os sonhos de cada reencontro. Como sonhei... Sempre foram lindos os nossos reencontros. Sempre foi dolorido amanhecer deles. Hostilidade e frieza com os primeiros raios de sol. Lembro e penso que já deveria ter deixado você na penumbra das boas lembranças.

Talvez eu pudesse ter dito que amo você. Tantas vezes você me provocou essa declaração para, em todas, fazer duros comentários de amanhecer. Talvez eu devesse ter deixado escrito em uma pequena folha de papel sobre a mesa de cabeceira que, sim, ainda era verdadeira esta declaração, mas que eu tinha ido, ainda amando e certa de que seguiria amando, antes que a noite acabasse, antes do depois que não havia no sonho e que não há agora que acordei com delicadas lágrimas contornando um sorriso suave de saudade.

Comentários

Maira disse…
Minha querida!
Ha quanto tempo nao vinha aqui...
Lindo esse, hein? Muito lindo.
Faz tempo que nao escrevo. Acho que estou com medo de ser lida...
Saudades.
Beijo grande.