Pular para o conteúdo principal

Incertas certezas

Sempre ouvi minha mãe contar que, quando criança, eu pedia opinião para fazer o contrário do que me diziam. Se a dúvida fosse colocar a roupa amarela ou azul e a sugestão indicasse a azul, eu terminava escolhendo a amarela. Dizem por aí que cresci decidida a levar minhas indecisões sempre na direção oposta a das opiniões alheias. Talvez... A memória da infância não guardou impressão precisa sobre o assunto, mas, imprecisa como as dúvidas de criança, acho esta uma leitura limitada. Na contramão do que dizem, não sou tão do contra assim!

Desconfio que quando perguntava, queria apenas confirmar o que já desconfiava, o que já achava, o que já sabia e, principalmente, o que queria. E eu sabia o que queria, porque, mesmo sem a validação alheia, mantinha a minha opinião e também a mania de perguntar. O que você acha? Eu acho que colocava, e ainda coloco, o disfarce da dúvida nas minhas incertas certezas. Fazer o quê, se elas estão sempre em posição oposta ao senso comum?

Estavam. No passado. Percebi a mudança de tempo verbal quando, angustiada com uma longa e complicada história, vi trocarem de lugar a minha opinião e a dos outros. Quando a história ainda não era tão longa e nem tão complicada me diziam: esquece isso, não vai dar certo. Eu ouvia e insistia, perguntava e ignorava e seguia alongando e complicando o que, para todos, não tinha futuro.

Eis que o futuro chegou e eu reconheci: não pode mesmo dar certo. Finalmente concordamos! Certo? Errado. Quando descobri que o que queria não era o que achava e sabia, os pessimistas de antes se converteram em otimistas quase inconseqüentes e passaram a me dizer: briga pelo que você quer! Já não sei qual é a mão e qual é a contramão, mas desconfio que o senso comum perdeu o senso. Melhor não perguntar mais nada e seguir... Mas com que roupa você acha que eu devo ir?

Comentários

Juliana Castelo disse…
Ser contraditório sempre fez parte da natureza humana...
Adorei seu depoimento e te add nos meus blogs que acompanho!
grande abraço
irving disse…
Indentifiquei-me totalmente com o texto. Show!!!