Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2011

Inspiração

Há algumas semanas, Zuenir Ventura escreveu uma crônica para o jornal com o sugestivo título “Musa inspiradora”. Mas não, não era uma homenagem a uma musa em especial e nem a várias delas, ao contrário. No texto, Zuenir lembrou histórias de compositores e escritores que diziam que tinham como musa inspiradora o prazo, um pedido de um produtor, uma encomenda. Sim, obras de arte podem e são feitas por encomenda, o que não as desmerece ou diminui.

Refletindo sobre a reflexão do cronista, pensei em minha aventura pelo universo das crônicas, dos contos e da poesia. Nunca tive a pretensão de classificar minha produção como artística. Para mim, escrever sempre foi um exercício de criatividade, um meio de experimentação, um desafio pessoal. Um algo meu para mim mesma. Portanto, sem prazos e encomendas. Talvez por isso, eu tive sim uma fonte de inspiração. Não digo muso, simplesmente porque acho que, se pode ser esta a ideia, não é a palavra.

Aliás, muso é palavra que não existe. Existe o femi…

Porque uma hora não tem mais como piorar

Se quinze minutos de atraso costumam ser tolerados e até previstos, o que dizer de um adiantamento de meia hora diante de olhos vermelhos e espirros em série atestando o poder de um simples resfriado? Nada. Meia hora não é nada, mas achei que pudesse fazer toda diferença para chegar mais rápido em casa, me enrolar no edredom e me jogar na cama.

Entre o ônibus e o metrô, escolhi o primeiro. Como a meia hora faria a diferença, o trânsito de sexta-feira não faria a diferença. Para ajudar, o ônibus logo passou e o primeiro mas logo surgiu: era um ônibus com ar. Perfeito para um fim de tarde com temperatura de verão, mas para o início de uma noite com chuva de quase inverno... Chegar logo era o objetivo, então fui. Entre e... O segundo mas. Cheio, nenhum lugar.

Quando eu já conformada que o tempo em pé logo seria compensado na minha cama – minha cama, ideia fixa – alguém levantou e coube a mim o lugar que ficou vago. Mas... Mais um mas. Logo percebi que a pessoa ao meu lado estava de ócul…

Detalhes de felicidade

Felicidade? A felicidade pode estar, aqui e ali, nos detalhes. Olhe para fora e para dentro, para a esquerda e para a direita. Levante a abaixe a cabeça, abra e feche os olhos. Ali! Viu? Ali naquela nuvem branca solta no céu azul, ali naquela música quase esquecida que está tocando, cheia de lembranças, no rádio agora. Aqui! Viu? Aqui neste raio de sol que invade a sala pela fresta da persiana, aqui no computador, neste e-mail encaminhado. Aqui e ali, detalhes de felicidade.