Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2016

Sinais

Busco sinais. Ando por aí buscando sinais. Por onde quer que eu passe, busco sinais seus. Sinais que me façam acreditar que você também pensa em mim. Sinais que me façam acreditar que é intuição e não ilusão a minha busca, a minha espera, a minha certeza nos sinais. Seus sinais. Eles surgirão, eu sei. Por isso busco, por isso ando por aí, esperando e acreditando que vou reencontrar você. Em algum sinal, em qualquer sinal, eu busco você.

Sob o azul do outono

Azul. Acordei hoje sob o azul que só o céu de outono tem. Sob este céu, a lembrança azul de você. Como o dia está lindo, eu diria. Eu escreveria se hoje fosse antes. Mas hoje, eu olhei o céu, eu senti o dia, eu pensei em você. Pensei azul, pensei lindo, pensei outono. Pensei tanto que quando você acordar sobre este céu azul que só o outono tem, você vai olhar, você vai sentir, você pensar. Você vai lembrar que eu disse que não tinha como deixar de ter vontade de comentar sobre um dia lindo com você. Você sorriu e escreveu: bom domingo. Você vai lembrar e vai sentir que eu não deixei de ter vontade. Você vai sorrir. Eu sei que você vai sorrir. E se você quiser escrever, será bom o domingo.

O último momento último

Hoje li e me emocionei com um texto que falava sobre como cada momento é único, sobre como estamos, o tempo todo, fazendo algo pela última vez e sobre como, quando temos consciência disso, vivemos cada momento como o que eles são, únicos. Mesmo que as experiências ou as ações se repitam, serão sempre únicos. Serão sempre momentos que estaremos vivendo pela primeira e última vez.
Se eu tivesse pensado nisso quando demos nosso último beijo... Ele não se repetiu, mas ali, naquela manhã, na porta da padaria, eu pensei no próximo beijo que não aconteceu e deixei de aproveitar aquele que seria, em todos os sentidos, o último. Nosso último beijo... Se eu soubesse, teria lhe abraçado como abracei, mas depois, quando fomos andando pela mesma rua, mas em direções opostas, eu teria olhado para trás.
Se eu lembrasse que aquele momento que eu sabia especial, isso eu sabia, era também único e, neste sentido, último, eu teria tentado apreender mais toda a atmosfera dele. Se eu lembrasse, mesmo que …