Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2017

Como se tivesse me cortado com uma folha de papel

Quem já se cortou com uma folha de papel sabe como é.
Não sangra, não rasga, mas dói. Dói uma dor que é única. Uma dor que não deveria doer.
Um corte que não deveria cortar. Um papel que não deveria cortar.
Cortou. Doeu. Dói.
Dói, eu sinto doer.
Dói como se eu tivesse me cortado com uma folha de papel.
Não localizo o corte, mas sinto. Não sei onde ficou a folha de papel, mas sinto. Não sei por que dói, mas sinto.
Eu sinto, dói.
Dói a dor de seu corte.
Você. Eu sinto.
Sinto como se tivesse me cortado com uma folha de papel.
Não foi um papel, é você. Não fui eu que me cortei, cortou você. É uma dor que dói, mas não veria doer.
Papel não deveria cortar. Você não deveria doer. Eu não deveria sentir.
Mas sinto. Dói.
Dói como se tivesse me cortado com uma folha de papel.
Não há papel, há você. Não há você, há o corte. Não há o corte, há a dor.
Há a dor, eu sinto. Há eu e não há você. Dói. O corte. Você. Eu sinto.
Dói.

O movimento do mar

Uma vez o mar levou um colar que eu usava. Talvez ele tenha levado brinquedos quando eu era criança. Já levou tristezas, ressacas de todo tipo. Diante dele, o mar, pensei sobre o movimento das ondas, sobre o trazer e levar da vida.

Converso com o mar e, diante dele, pedi que fosse levado da vida, assim como o brinquedo que é levado da areia, o que não pode mais ser. Pedi que fosse retirado do coração, assim como foi retirado do pescoço o colar que o mar levou, o sentimento não correspondido.

Não pode mais fazer sofrer o sentimento não correspondidos. A ilusão, vontade ou a carência que faz parecer diferente poderiam ser levadas pelas ondas do mar. Peço que sejam, peço que vão o que talvez nunca tenha vindo de verdade.

Pensei, desejei, pedi diante do mar. O mar... O movimento das ondas... Diante delas, a água que se movimenta agora não é a água salgada do mar. É salgada, mas não são ondas, são lágrimas do trazer e do levar, principalmente do levar, da vida.

Queria que fosse, como pense…

Das boas combinações da vida

Livros, café, viagens
Flores, vinho, beijos
Sol, praia, vento
Mensagens, encontros, sorrisos
“Bom dia”, carinho, café forte
Chuva, cama, companhia
Ideias, caderno, caneta
Enviado, recebido, lido
Lido, respondido, conversa
Sol, chuva, arco-íris
Vinho, queijo, conversa
Pizza, cerveja, amigos
Cachorro, gato, papagaio
Fé, confiança, esperança
Encontro, desencontro, reencontro
Inícios, meios, fins
Fins, recomeços, novas histórias
Pão na chapa, café, suco de laranja
Fotos, lembranças, histórias